Lançado novo edital de monitoramento da cobertura vegetal no Extremo Sul da Bahia

por | jul 24, 2014 | Fórum Florestal do Extremo Sul da Bahia

As empresas Fibria e Suzano lançaram um novo edital para contratação dos estudos de Monitoramento Independente da Cobertura Vegetal na Costa das Baleias, região do território extremo sul da Bahia. O trabalho visa atender deliberação conjunta do Fórum Florestal do Sul e Extremo Sul da Bahia, Conselho de Mosaico das Áreas Protegidas (MOSAICO) e Subcomitê da Reserva da Biosfera (RBMA) do Extremo Sul da Bahia, complementando estudos financiados anteriormente pela Veracel.

Monitorar a dinâmica histórica da cobertura vegetal no Extremo sul da Bahia, visando identificar fisionomias dos remanescentes florestais e seus estágios sucessivos, as dinâmicas de deflorestamento, regeneração natural e reflorestamento de áreas degradadas, as dinâmicas de ocupação e uso econômico do solo estão entre os objetivos principais do estudo, que tem como finalidade ainda a produção de conhecimentos para conservação da Mata Atlântica.

Estão habilitadas para participar deste edital, organizações sem fins lucrativos, universidades, empresas, ou consórcios estabelecidos entre estas. Os consórcios deverão indicar uma das organizações para exercer a liderança perante o presente edital. É desejável que demonstrem experiência anterior de atuação na região de monitoramento e que utilizem metodologia de trabalho compatível com a utilizada no trabalho anterior, realizada na área de influência da Veracel (disponível em http://ib.rc.unesp.br/#!/departamentos/ecologia/leec/extension-projects/south-bahia/

Os trabalhos deverão também contemplar oportunidades de atuação profissional, capacitação e transferência de conhecimento para agentes e organizações locais.

No escopo do monitoramento estão também as dinâmicas de desflorestamento, regeneração natural e reflorestamento de áreas degradadas, as dinâmicas de ocupação e uso econômico do solo, a identificação de áreas prioritárias para restauração, o estoque de biomassa e carbono, além do atendimento a marcos legais e exigências de certificação.

O resultado mais esperado do monitoramento é o conhecimento dos diferentes tipos de vegetação e uso do solo na região, propiciando condições adequadas para planejamento de ações de conservação, licenciamento, fiscalização e restauração florestal, além de consolidação de corredores ecológicos e Planos Municipais de Mata Atlântica.

As propostas devem ser encaminhadas até 17 horas do dia 20 de agosto de 2014, por meio de mensagem eletrônica para o endereço eletrônico apoioadmfflorestal@gmail.com.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

– Para qual instituição será elaborado/executado o projeto?

Resposta: O projeto de Monitoramento da cobertura vegetal de que trata o presente edital será executado para as empresas Suzano e Fibria

O e-mail para envio das propostas técnica e comercial será este mesmo (apoioadmfflorestal@gmail.com)?

Resposta: Sim, o endereço de correio eletrônico ao qual deverá ser enviadas as propostas técnica e comercial é apoioadmfflorestal@gmail.com

Também é necessário apresentar/enviar algum documento relacionado a Manifestação de interesse?

Resposta: Não, o interessado deverá enviar, junto com a proposta comercial, Carta-compromisso declarando a aceitação completa dos termos do presente edital.

– Com relação a área geográfica do projeto, o documento aponta, no item 1, um total de 13 municípios localizados no Extremo Sul da Bahia, sendo eles Prado, Alcobaça, Caravelas, Nova Viçosa, Mucuri, Itamaraju, Jucuruçu, Vereda, Itanhém, Teixeira de Freitas, Medeiros Neto, Lagedão e Ibirapuã. Fizemos um cálculo da área do projeto com base nos limites do IBGE, onde totalizamos 1.763.300 hectares. A área total atende o projeto?

Resposta: Como os limites do IBGE muitas vezes tem problemas, podem considerar a área do IBGE para efeitos de cálculo, porém é importante fazermos um buffer (amortecimento) de garantia, sugestão usar no mínimo 100m.

– Com relação as classes temáticas do Mapeamento da Cobertura Vegetal, no item 4.1 é apresentado uma listagem de classes temáticas à serem mapeadas. Para formação do orçamento devemos considerar somente estas classes temáticas? Nosso entendimento está correto ou existe alguma outra listagem de classes?

Resposta: Deverá mapear todas as classes de uso do solo que se façam necessárias para a definição da dinâmica de ocupação listadas.

– Com relação às imagens de satélite, no item 5.1 é mencionada a diferença de resolução das imagens de satélite. Para as imagens de satélite disponibilizadas para cada ano de estudo, gostaríamos de saber quais serão os sensores e resolução das mesmas?

Resposta: Imagens LandSat, sendo 2013, RapidEye, porém não contemplando 100% das áreas. Tais imagens podem ser baixadas no site do INPE também.

– Com relação a escala final do mapeamento (item 5.4), como o trabalho envolve mapeamento em diferentes anos e acreditamos que com diferentes imagens de satélite, gostaríamos de saber qual é a escala final esperada para o trabalho?

Resposta: Como será usado imagens LandSat, para tais imagens a referência é 1:50.000, já as Imagens RapidEye será 1:25.000.

– Com relação ao trabalho de validação de campo, no item 5.4 é mencionada a necessidade de verificação em campo para o trabalho de classificação da cobertura vegetal. Entendemos que este trabalho de campo tem como objetivo apenas a validação das classes levantadas/verdade de campo, incluindo relatório com evidências fotográficas, coordenadas e monografia, para posterior ajuste do trabalho realizado no escritório. Nosso entendimento está correto?

Resposta: A validação de campo será feita com base nas imagens mais atuais, as quais servirão de base para classificação das demais imagens/anos. É importante que seja apresentado os resultados dessa validação de campo, para poder embasar o resultado final do trabalho.