Relatório do Encontro Nacional do Diálogo Florestal está disponível

por set 18, 2019Notícias0 Comentários

No Encontro Nacional de 2018 onde se realizou uma oficina de reposicionamento estratégico, foram definidos 8 objetivos e 41 metas para serem realizados de 2019 até o ano de 2022. Este ano, foram citadas as principais realizações com relação aos objetivos e metas:

  • Objetivo 1 “Fortalecer e multiplicar ações de conservação da natureza nos territórios de atuação do Diálogo Florestal”: divulgada chamada pública, recebidos os casos e avaliado por parte do Comitê de Avaliação. Além do lançamento da publicação impressa, foram anunciados os três casos de sucesso vencedores durante coquetel na sede do CREA-MG;
  • Objetivo 2 “Ampliar o alcance temático, territorial e institucional do DF”: o DF já participou de diversos eventos como: Steering Committee, Plantações Florestais na Paisagem (TPL), Coalizão Brasil, Florestas, Agricultura e Clima, em reunião da Organização Internacional para Madeira Tropical (OIMT);
  • Objetivo 3 “Expandir a atuação do DF para a Amazônia”: estão sendo realizadas conversas com organizações atuantes na região para esta identificação, está sendo organizado um diálogo de escopo no contexto de um Diálogo do uso do Solo na Amazônia, com foco no Centro de Endemismo Belém, O DF está em contato com organizações atuantes na região para promover esta ação e a organização Amigos da Terra Amazônia Brasileira passou a integrar o DF em maio de 2019.
  • Objetivo 4 “Debater temas estratégicos relacionados aos objetivos do Diálogo Florestal e buscar posicionamento, quando possível”: foi realizado um estudo junto às principais organizações participantes do DF e definidos 20 temas estratégicos, separados em duas principais linhas de ação: paisagens; e, conservação e restauração florestal, foi elaborado um procedimento para a gestão da discussão de temas estratégicos e estabelecidas as regras para aprovação de posicionamento do DF.
  • Objetivo 5 “Assegurar a participação e a interação do DF com o meio acadêmico”: foram realizados debates estratégicos nos moldes de seminário durante este Encontro Nacional e está em andamento a rodada de discussão com o Comitê Executivo.
  • Objetivo 6 “Fortalecer os Fóruns Regionais”: os Fóruns Florestais (FF) foram fortalecidos, retomada do Fórum Florestal Capixaba, ampliação do número de participantes e a realização do levantamento de temas regionais relevantes para cada FF;
  • Objetivo 7 “Promover o Diálogo Florestal para ampliar sua influência e a difusão de conteúdos”: palestras e visitas para ampliar a influência do DF;
  • Objetivo 8 “Buscar a sustentabilidade do DF, garantindo a sua viabilidade executiva e financeira a longo prazo”: planejamento financeiro do DF para 2019 e aprovação do plano de captação de recursos.

 

Atualização das ações dos Fóruns Florestais

Todos os fóruns florestais estavam presentes no evento, cada um deles apresentou suas principais atividades no período de junho de 2018 a junho de 2019, incluindo ações previstas e realizadas em seus Planos de Ação.

Além disso, foram realizadas algumas discussões, como por exemplo: Discussão sobre fortalecimento e sustentabilidade de atuação dos Fóruns Regionais com breve apresentação do Plano de Captação do Diálogo Florestal, a qual apresentou as principais linhas de atuação que integram o Plano de Captação e elementos importantes para o fortalecimento do DF.

 

Coquetel de Premiação

Após o evento, aconteceu o coquetel de premiação casos de sucesso no manejo florestal em nível de microbacia e recursos hídricos seguido de dois painéis sobre Conservação e restauração florestal e Paisagens. Saiba mais aqui.

 

Debates estratégicos: temas prioritários do Diálogo Florestal

A manhã do segundo dia do Encontro Nacional foi dedicada aos debates estratégicos, sobre “Conservação e restauração florestal” e “Paisagens”. A composição dos painéis foi a seguinte:

Painel 1 – “Conservação e restauração florestal”

Foram realizadas as seguintes apresentações:

  • Denise Jeton Cardoso (Embrapa Florestas) “Uso e conservação da araucária na agricultura familiar: o papel da erva-mate e dos sistemas tradicionais de manejo florestal na restauração e conservação da Floresta com Araucária”;
  • Miguel Calmon (WRI) “Projeto VERENA: demonstrando a viabilidade técnica e econômica da restauração e do reflorestamento com espécies nativas em larga escala no Brasil”;
  • Miguel Moraes (Conservação Internacional) “Programa de restauração para Amazônia nos próximos 10 anos: um olhar para as florestas pensando nas pessoas”;
  • Maurem Alves (CMPC) “Experiência e perspectiva de conservação da CMPC”;
  • Rafael Baroni (Suzano) “Qual é papel do setor florestal nos processos de conservação e restauração florestal?”.

Painel 2 – “Paisagens”

Foram realizadas as seguintes apresentações:

  • Jacinto Lana (Cenibra) “Ecologia de paisagem, legislação florestal e aspectos práticos”;
  • Ivone Namikawa (The Forests Dialogue / Klabin): Iniciativa internacional “Diálogo do Uso do Solo” e sua importância no contexto brasileiro;
  • Beto Mesquita (Instituto BVRio / Co-chair TPL Brasil) “Plantações na Paisagem: principais lições aprendidas do diálogo de campo no sul da Bahia e norte do Espírito Santo”;
  • Daniel Venturi (WWF Brasil) “Planejamento da paisagem”;
  • Mário Mantovani (SOS Mata Atlântica) “Desafios para uma visão integrada de paisagem”.

 

Análise de conjuntura: reflexão sobre o ambiente político-institucional brasileiro à luz do plano de ação do Diálogo Florestal 2019 – 2022

Beto Mesquita, do Conselho de Coordenação conduziu os trabalhos desta sessão e citou que o Conselho de Coordenação propõe elaboração de um posicionamento do Diálogo Florestal derivado do documento enviado pelo Apremavi com sugestões para um posicionamento do Diálogo. Foi aprovada por unanimidade a elaboração do posicionamento estratégico, a ser detalhado e lançado com aprovação do Conselho Diretor.

Ao final do encontro e como resultado da avaliação do evento, a maior parte considerou o Encontro deste ano como “ótimo” e a outra parte como “bom”. Foi sugerido que o próximo encontro nacional seja realizado em Curitiba, além de ter sido proposto estender o tempo de apresentações de painéis e fóruns para que possa haver mais discussão e interação com os demais convidados.

Confira o relatório na íntegra aqui.

 

Participantes da Reunião:
Adriana Maugeri – Associação Mineira da Indústria Florestal – AMIF
Alexandre Di Ciero – Sysflor Certificações Florestais
Aline Tristão Bernardes – FSC Brasil
Almir Requião – Manguezal Meu Quintal
Beto Mesquita – Instituto BVRIO
Camilla Marangon – Indústria Brasileira de Árvores – Ibá
Carem Zanardo – StoraEnso
Celso Maioli Junior – Força Verde
Daniel Arrifano Venturi – WWF BRASIL
Denise Jeton Cardoso – Embrapa Florestas
Edilaine Dick – APREMAVI
Elizabete Lino de Oliveira – AMDA / Fórum Florestal Mineiro
Fernanda Rodrigues – Diálogo Florestal
Gilmar Dadalto – Fórum Florestal Espírito Santo
Isabel Garcia-Drigo – Imaflora
Ivone S. Namikawa – Klabin S.A.
Jacinto Lana – Cenibra
João C. Augusti – Suzano S.A.
Luis H. Tapia – Veracel
Luiz Carlos Cardoso Vale – Consultor
Luiz Paulo Pinto – Fórum Florestal Mineiro
Márcia Marcial – Fórum Florestal Extremo Sul da Bahia
Marcio Braga – Fórum Florestal Extremo Sul da Bahia
Marcos Antonio Costa Lemos – Natureza Bela
Maria Dalce Ricas – AMDA / Fórum Florestal Mineiro
Mariana Schuchovski – Rede Mulher Florestal
Mário Mantovani – SOS Mata Atlantica
Maurem Alves – CMPC
Maurício Talebi – Fórum Florestal Paulista
Miguel Calmon – WRI
Miguel Moraes – Conservação Internacional Brasil
Murilo Mello – Instituto Itapoty
Rafael Baroni – Suzano S.A.
Tânia Martins Santos – Reapi
Virginia Londes de Camargo – Veracel
Walter Costa – Cenibra

Autora: Hevelyn Sato.